Regina-Duarte-MEDOMedo é o que as pessoas sentem quando uma pessoa de uma área diferente dá “pitaco” no assunto que você domina. É incrível como as pessoas tentam se esquivar de passar por ridículo. Imagina, alguém que não manja meleca nenhuma do que você faz querendo falar como se fosse muito fácil. Isso passa a ideia de que você é um total incompetente no que faz. Quatro (ou mais) anos de faculdade, seis de experiência e vem um “zé ruela” e faz tudo isso parecer nada. Qual a reação? Contra-atacar a pessoa que se acha melhor que você e fazer ela parar de jogar você na lama da futilidade. Eu acho esse contra-ataque uma das piores reações do ser humano. Pra mim esse tipo de pessoa não é e nem vai ser bem sucedido na vida acadêmica, financeira, amorosa e principalmente profissional. Temos que pensar em adquirir informação e transformar isso em conhecimento, não importa qual a fonte.

Vivemos em um tempo onde tudo está compartilhado (tudo mesmo) e qualquer um pode ter informações sobre qualquer coisa. Normal! Sou formado em Computação mas aceito sem preconceitos o que pessoas formadas em outra área me falam. Absorvo isso como informação e transformo em conhecimento de boa.

Engraçado mesmo é ver o desespero do pessoal que não aceita receber uma crítica de um profissional de outra área. “Heresia, profano, volte pra sua área e me deixa na minha, você não entende nada do que eu faço”. Só pode ser isso que os medrosos pensam.

Realmente esse povo medroso tem um fundo de razão. O cara não passou pelo que eu passei pra chegar aqui e sair falando tudo aquilo que levei anos pra aprender. O erro está ai, pois o mais importante é o processo pelo qual o sujeito cagão levou para construir esse conhecimento (da sua área). Esse processo levou a construção de vários outros conhecimentos que com certeza faz dele um ótimo profissional, mas sair retalhando que sabe pouca coisa sobre o seu assunto é escroto demais.

Se você é um profissional da Computação já deve ter passado por isso. Ao modelar um sistema o detentor do conhecimento necessário para a construção do sistema se borra todo de medo de você descobrir todos os seus segredos sobre o processo. Agora imagina se você for um profissional que desenvolve sistemas de Inteligencia Artificial. Desenvolvemos sistemas que vão fazer o que uma pessoa faz, e se ao se meter em uma conversa no cafezinho você já é chicoteado, imagina se você consegue fazer com que o trabalho desse profissional seja feito por uma máquina? Morte é pouco ele vai querer te fritar em óleo quente e bem devagar.

“- Nunca que um programa vai fazer o que eu faço, nunca!”. Por incrível que pareça eu já escutei isso e me dei bem, porque o sistema ficou melhor que o profissional.

Vamos utilizar nossa máquina do tempo e voltar em 1700 e  analisar um pouco o que já acontece:

Antes de 1750 nós vivíamos na era agrícola e naquele tempo tudo era feito manualmente, o trabalho era puramente artesanal. Isso é fato.

Se você utilizou a máquina do tempo corretamente, você pode perguntar para alguns viventes dessa época o que eles acham de uma máquina arando, colhendo, plantando e até mesmo sendo utilizado para o transporte. Neste momento você deve ter sido chamado de louco e burro. Onde que uma máquina vai fazer o trabalho que eles fazem? Nenhuma máquina no mundo vai poder fazer o trabalho que eu faço. Quebraram a cara, bem feitooooooooo. Como sabemos o ritual de passagem de uma era para outra é formada por uma grande invenção tecnológica e nesse caso foi a máquina a vapor. Com a chegada da máquina a vapor o homem começou a fazer muitas coisas que antes eram impossíveis de não ser feito por ferramentas (máquinas). Verdade! Logo depois veio a revolução industrial e a revolução da informação e muito trabalho que somente podia ser feito pelo homem começou a ser feito pelas máquinas. Não acredito que a IA seja um grande invento de mudança de era, mas vai ajudar bastante.

Você já deve ter deduzido o que vou falar agora. A IA veio para entrar no lugar do homem na difícil tarefa de pensar e tomar decisões. E não podemos correr disso, o que podemos fazer é aceitar que uma máquina vai poder fazer aquilo que a principio só nós conseguimos fazer. Isso é pior do que uma pessoa se metendo no que eu manjo (maldita IA). Essa é a mesma sensação que os agricultores tinham na era agrícola depois que foi inventado a máquina a vapor.

Se você se identificou com esse tipo de pessoa medrosa, sorte sua por ter lido esse post. Ainda da tempo de mudar, mas não da mais tempo para tentar impedir esse processo.

Bem vindo ao futuro.

Fico aberto a comentários sobre que atividades e profissões a IA já está se metendo e quais podem ser extintas.

Boa parte da nossa memória é falsa, consequência da forma como fazemos para recupera-la. Esse é um processo infinitamente + 1 mais complexo do que simplesmente acessar um HD e abrir um arquivo (forma que conhecemos de recuperação de memória em sistemas computacionais).

Antes de explicar porque metade da nossa memória é falsa, acho interessante falar do que é formada nossa memória. Bem, ela é formada pelas partes mais importante e relevantes de algo que queremos lembrar, isso significa que guardamos apenas o que realmente é necessário para lembrar de alguma coisa. Ex.: Ao lembrar da minha mãe, eu crio uma imagem dela na minha mente e para mim essa imagem caracteriza ela, porém essa imagem (memória) nada tem haver com ela (realmente). Isso porque eu guardo apenas as características mais relevantes sobre a minha mãe. Se me pedir pra desenhar seu nariz, eu não conseguiria desenhá-lo perfeitamente.

Bem, é agora que começa a mentirada dentro da nossa cabeça. Ao tentar lembrar da minha mãe, eu recupero apenas o mais significante, o que não constitui por completo a imagem dela. Toda parte que não é relevante é automaticamente criada pelo meu cérebro para terminar de montar a imagem da minha mãe dentro da minha mente. Essa parte que o cérebro monta é totalmente inventada pelo meu cérebro, fazendo com que boa parte da imagem que vem a minha cabeça ao lembrar-se da minha mãe seja mentira (falsa),  mas pra mim é a minha mãe.

O que pode ser tirado de legal disso?

Simples! Compactação de dados, rápido acesso e compartilhamento de informações. Uma mesma característica relevante pode estar contida em várias memórias. Em sistemas computacionais seria como dizer que a palavra “mãe” de um arquivo de texto seria a mesma em vários arquivos diferentes. Esses arquivos estariam compartilhando a mesma palavra, economizando espaço, etc.

Corrijam-me se eu estiver errado, mas o Google faz isso hoje no Gmail (compactação de dados, rápido acesso e compartilhamento de informações, conforme dito acima). Só assim pra justificar a grande capacidade e velocidade do Gmail.

O homem com certeza ainda é a máquina conhecida mais perfeita do universo. Obra do criacionismo ou do evolucionismo. Vai saber!

Fonte de inspiração: http://www.wook.pt/ficha/o-livro-do-cerebro/a/id/4042414

A IBM está trabalhando em um computador capaz de enfrentar participantes humanos no popular programa de perguntas e respostas “Jeopardy!”. O objetivo é demostrar o nível alcançado pela inteligência artificial. O computador será batizado de Watson, em homenagem ao fundador da IBM, Thomas J. Watson.

“O ‘Jeopardy!’ representa um grande desafio para um sistema informático, dada a variedade de temas, a velocidade com que as respostas precisam ser dadas, e a sutileza e ironia com que devem ser analisadas as pistas dadas aos participantes, aspectos em que os seres humanos tradicionalmente se sobressaem frente aos computadores”, explica a IBM em um comunicado.

A IBM foi responsável pelo Deep Blue, o computador que venceu o campeão mundial de xadrez Garry Kasparov, em uma controversa partida em 1997. O enxadrista considerou a disputa injusta e conseguiu um empate numa revanche contra outra versão do programa.

Diferente do xadrez, que tem um número finito de variáveis a serem consideradas, o “Jeopardy!” requer o estudo de possibilidades quase infinitas e exige ao mesmo tempo interação entre seres humanos para a tomada de decisões e, de certa forma, a compreensão de “perguntas formuladas de maneira humana”, afirma a IBM.

Criado há 45 anos, o “Jeopardy!” é um dos programa de televisão mais antigos e populares nos EUA, onde três participantes competem diante de um painel com trinta monitores. Para pontuar, eles precisam formular a pergunta correta que corresponde a uma resposta que aparece na tela escolhida, que pode trazer temas de várias áreas do conhecimento, desde história ou literatura até cultura popular ou ciência.

– O grande objetivo é conseguir que o programa possa conversar em termos humanos, mas ainda não chegamos a esse momento – explicou David Ferrucci, responsável pela equipe da IBM que desenvolve o projeto.

Segundo o New York Times, durante uma demonstração a versão atual do Watson pareceu ser “agressiva e competente”, mas cometeu erros bobos, como afirmar que “sheet” (lençol em inglês) era uma fruta.

Na competição que está sendo planejada para acontecer em Los Angeles, Watson não estará conectado à internet. Ele deverá responder às perguntas com base em um banco de dados instalado previamente em sua memória.

– A essência da tomada de decisões consiste no reconhecimento de padrões em grandes quantidades de dados, a classificação através de escolhas e opções e a resposta rápida e precisa – afirma o presidente da IBM, Samuel Palmisano.

A forma de Watson ainda não foi definida pela IBM, nem seu sexo. Mas já se sabe que o computador responderá com uma voz sintetizada. A representação poderá ser feita através de um avatar em um monitor.

Entre os possíveis adversários humanos, um dos que já foram considerados é Ken Jennings, que já venceu o programa 74 vezes consecutivas e conquistou prêmios de US$ 2,52 milhões em 2004.

Fonte: http://oglobo.globo.com/tecnologia/mat/2009/04/28/ibm-trabalha-em-computador-para-enfrentar-seres-humanos-no-jeopardy-755475161.asp

Se você não sabe quem foi Alan Turing, seus problemas acabaram.

Eu encontrei na internet um video muito interessante sobre Alan Turing e achei melhor postar o video do que escrever sobre ele.

Impossível falar de computação e Inteligência Artificial sem falar de Alan Turing.

Prepare a pipoca com guaraná e divirta-se.

Frase do post: “Controle da mente não funciona em gente que pensa” (Éris)

Frase retirada do desenho animado As Terríveis Aventuras de Billy e Mandy.