A Inteligência Artificial oficialmente nasceu na conferência de verão de 1956 em Dartmouth College, NH, USA. Sabendo que o verão do hemisfério norte começa em 21 de junho, com certeza a IA não foi fruto de um amor de carnaval tipicamente carioca.

Dartmouth College

Da direita para a esquerda: Jonh McCarthy, Oliver Selfridge, Marvin Minsky, Trenchard More e Ray Solomonoff

Na proposta dessa conferência, escrita por McCarthy (Dartmouth), Marvin Minsky (Hardward), Nathaniel Rochester (IBM) e Claude Shannon (Bell Laboratories) e submetida à fundação Rockfeller, consta a intenção dos autores de realizar “um estudo durante dois meses, por dez homens, sobre o tópico inteligência artificial”. Ao que tudo indica, esta parece ser a primeira menção oficial à expressão “Inteligência Artificial”.

 

O QUE É INTELIGÊNCIA?

Binet Binet: “Inteligência é julgar bem, compreender bem;

Tearman Tearman: ” A capacidade de conceituar e de compreender oeu significado”;

Helm Helm:“A atividade inteligente consiste na compreensão doessencial de uma situação e numa resposta reflexa essencial de uma situação e numa resposta reflexa propriada”;

Piaget Piaget: “Adaptação ao ambiente físico e social”;

 

O QUE É INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL (IA)?

• “É a propriedade de um artefato de poder resolver problemas que se fossem resolvidos por um seu vivo problemas ele seria considerado inteligente.” (Barreto)

• Assim como existe medidas de inteligência para humanos é possível ter medidas de inteligência é possível ter medidas de inteligência para máquinas.

Eliane Rich: “IA é o estudo de como fazer os computadores realizarem coisas que, hoje em dia são feitas melhores pelas pessoas”.

Winston: IA é o estudo das idéias que permitem aos computadores serem inteligentes”.

Charniak and McDermott: IA é o estudo das faculdades mentais através da utilização de modelos computacionais”.

Bellman Bellman: “IA é o estudo e simulação de atividades que normalmente assumimos que requerem inteligência”.

Russell and Norvig: “IA é o estudo e implementação de agentes racionais”.

 

fonte: http://www.inf.ufsc.br/~falqueto/aGraduacao/INE5633Sist_Intel/IA_Geral/IA_Introd_Historia.PDF

Assistindo a uma reportagem sobre transplante de coração que passou no Fantástico (19/04/2008) eu tive uma visão: descobri como enrolar a Dona Morte e me tornar imortal.coracao_blog1

Eu vi o coração do doador totalmente parado bater no peito do receptor, e o mais espetacular foi que o coração começou a bater do nada enquanto o médico costurava-o. Minha nossa senhora!!!! Que bruxaria é essa??? Na idade média com certeza esse médico teria sido queimado na fogueira santa ou decapitado em um guilhotina.

Nesse momento enquanto a baba descia da minha boca aberta sobre meu chá de cogumelo, eu vi que o nosso hardware (parte que podemos quebrar) é totalmente independente do nosso software (nossos pensamentos), bem, se isso for realmente real, só precisamos criar um sistema computacional de inteligência artifical que simule em 100% nossas capacidades cognitivas. Nesse sistema nós teríamos todas as capacidades humanas, como sentidos, sentimentos, memória, raciocício, crenças, reflexos, etc. Basicamente uma cópia de mim mesmo em bits.

Com esse sistema funcionando, só preciso transportar meu conhecimento e “voilá”, agora estou consciente em um outro hardware, com um pequeno e simples detalhe: prolonguei minha vida cognitiva por um tempo indeterminado. Caso o hardware começe a dar tilte, é só trocar. Coisa linda! Poderei deslumbrar a singularidade de camarote, ou talvez o fato de eu me tornar imortal dê inicio a própria singularidade.

A minha imaginação com certeza é muito fértil e tudo que falei agora pode ser considerado como a descoberta do século ou dá um bom tema para um livro de ficção científica. Hoje com certeza não temos condições de criar um sistema de inteligência  artificial auto-consciente, mas fica aí a dica para uma ótima aplicação para quando conseguirmos. Uma coisa é certa: podemos estar livre das doenças, mas vamos ter problemas novos para nosso hardware novo. Será que estaremos mesmo imortais?

Criar sistemas auto-conscientes corresponde a área de pesquisa dentro da Inteligência Artificial chamada de “IA Forte”. Criar um sistema desse porte hoje em dia é altamente complexo, mas antes temos que superar alguns desafios, desafios estes aparentemente mais fáceis. Um desses desafios é chamado de Teste de Turing, proposto por Alan Turing em um publicação de 1950 chamada “Computing Machinery and Intelligence“. Passar nesse teste já é um belo passo dado rumo a imortalidade.

Não precisamos ir longe para vermos seres imortais, temos hoje na natureza uma água-viva chamada Turritopsis dohnhii (revista Super Interessante abril de 2009, pg 34) que é imortal. Álias, já podemos ir prevendo problemas com a imortalidade. Essa água-viva vem preocupando os cientistas devido a superpopulação da mesma levando à extinção de outras espécies.

Enquanto não conseguimos criar um sistema auto-consciente, podemos tentar fazer o que Billy e Mandy conseguiram. Que foi escravizar a própria morte, mesmo assim já podemos ir pensando em um nome para o sistema. Eu proponho chamar de Highlander v1.0.

Se você não sabe quem foi Alan Turing, seus problemas acabaram.

Eu encontrei na internet um video muito interessante sobre Alan Turing e achei melhor postar o video do que escrever sobre ele.

Impossível falar de computação e Inteligência Artificial sem falar de Alan Turing.

Prepare a pipoca com guaraná e divirta-se.

Frase do post: “Controle da mente não funciona em gente que pensa” (Éris)

Frase retirada do desenho animado As Terríveis Aventuras de Billy e Mandy.