Dessa vez não vou pedir para definir cognição. Quem???????

Não tem como falar de inteligência artificial(IA) sem falar de cognição. Quemmm??????

Vou ser rápido e indolor.

Cognição é o ato ou processo de conhecer, que envolve atenção, percepção, memória, raciocínio, juízo, imaginação, pensamento e linguagem. A palavra cognição tem origem nos escritos de Platão e Aristóteles. A cognição é um ramo da psicologia que estuda o ato de adquirir conhecimento e os processos de aprendizagem. Pronto, passou, passou!!!

Mas onde cognição entra em inteligência artificial? bem, eu formulei uma definição para IA que é a seguinte:

A inteligência artificial é a área da computação que estuda o desenvolvimento de sistemas que tem o objetivo de simular o processo de raciocínio humano (FORMOSO, 2009).

Agora vejam as definições de IA que tive como base para a minha definição:

“Inteligência Artificial é o estudo de conceitos que permitem aos computadores serem inteligentes.” (WINSTON, 1987).

“Inteligência Artificial é o estudo de como fazer os computadores realizarem coisas que, no momento, as pessoas fazem melhor.” (RICH & KNIGHT, 1994).

“Inteligência Artificial é o estudo das faculdades mentais com o uso de modelos computacionais” (CHARNIAC & MCDERMOTT apud BARRETO, 1997).

A minha visão foi construída com o que eu adquiri de informação e transformei em conhecimento. Esse é um dos processos da cognição que é o fato de converter o que é captado para o nosso ser interno.

Se você leu o último post, você então lembrará da situação onde várias pessoas definiram Internet de forma diferente, porém, similar. Agora está simples, é porque cada um tem uma bagagem diferente de conhecimentos.

Vamos ver um exemplo simples.

Na aula de introdução a ciência da cognição que assiti no programa de mestrado o professor deu um exemplo muito bom, que é o seguinte:

Na aula de Matemática, a professora pergunta:
– Havia três passarinhos no galho de uma árvore e você atira em um deles, quantos passarinhos ficam?
Joãozinho pensou e respondeu:
– Nenhum professora!
– Como nenhum, Joãozinho? Se tinha três e você matou um, logo ficaram dois.
– Não professora. É que com o barulho da arma, os outros dois voaram.
A professora pensou e disse:
– Taí, Joãozinho. Gostei da sua linha de raciocínio.
O Joãozinho não perdeu tempo e mandou:
– Professora, posso fazer uma pergunta, agora?
– Claro!
– Havia 3 mulheres tomando sorvete. A primeira estava mordendo o sorvete, a segunda o estava lambendo e a terceira o estava chupando. Qual das três era a casada?
A professora pensou, pensou e respondeu:
– A que estava chupando o sorvete.
– Não professora. A que tinha a aliança na mão esquerda! Mas gostei da sua linha de raciocínio…

A piada é parecida com a que escutei, mas a idéia é a mesma.

Ao longo da nossa vida adquirimos conhecimentos que valem como critério de raciocínio para a criação de novos conhecimentos, por isso que Joãozinho tinha uma visão diferente da professora.

E onde entra IA nisso mesmo???

Se nós queremos criar sistemas similares a inteligência humana, então temos que saber como realmente fazemos para pensar.

Em busca do conhecimento

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Cogni%C3%A7%C3%A3o

http://pt.wikipedia.org/wiki/Intelig%C3%AAncia_artificial

http://www.geocities.com/Athens/Sparta/1350/ia/raizes.html

http://www.zebisteca.com.br/2547/piadas/joaozinho/matando-passarinho

Anúncios